Em defesa do SUS




Sarampo – COSEMS/SP reitera ações e estratégias que visem aumentar a cobertura vacinal, realizar detecção precoce de casos e suas respectivas medidas de controle

Sarampo – COSEMS/SP reitera ações e estratégias que visem aumentar a cobertura vacinal, realizar detecção precoce de casos e suas respectivas medidas de controle

Tendo em vista o recente surto de sarampo no navio MSC Seaview, conforme descrição em Nota do Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo (CVE-SES-SP)  (acesse aqui) e possibilidade de disseminação do vírus para outros grupos populacionais suscetíveis, aliada à atual situação epidemiológica mundial do sarampo, e em especial no Brasil, a diretoria do COSEMS/SP reitera as sugestões divulgadas anteriormente, em julho de 2018.

O COSEMS enfatiza aos gestores municipais a necessidade de desenvolver de imediato, e de modo sustentado, ações e estratégias que visem aumentar a cobertura vacinal, realizar detecção precoce de casos e suas respectivas medidas de controle.

Como sugestão, estão listadas a seguir estratégias a serem adotadas de acordo com cada realidade e possibilidade:

  • Divulgar amplamente para a rede de serviços pública e privada a situação atual do sarampo e o risco presente de disseminação da doença;
  • Alertar a rede de serviços para suspeitar e investigar precocemente casos suspeitos e realizar, de modo oportuno, todas as ações de controle recomendadas;
  • Realizar capacitações e atualizações para profissionais de saúde, incluindo diagnóstico e manejo clínico do sarampo. O COSEMS/SP apontou na CIB de 12/07/2018 a necessidade de apoio da Secretaria de Estado da Saúde (SES) para estas atividades;
  • Promover maior acesso da população à vacinação contra o sarampo, observando o calendário do Programa Nacional de Imunizações;
  • Ofertar vacina em todo o período do dia e quando possível também em horários alternativos, como por exemplo, final de tarde e final de semana;
  • Identificar populações vulneráveis, buscar bolsões de baixa cobertura vacinal e oferecer de modo ativo, a vacina, se necessário casa a casa;
  • Reforçar junto às equipes a importância do calendário vacinal de rotina para adolescentes e adultos:
  • Atentar que profissionais de saúde devem tomar a vacina de acordo com o calendário;
  • Realizar parcerias com o setor de turismo para que viajantes estejam com o esquema de vacinação em dia, em tempo hábil de fazer imunidade;
  • Alertar aos viajantes que não tenham tomado a vacina tríplice viral, ou que não tenham comprovante de vacinação, que devem receber a vacina 15 dias antes de viajar;
  • Vacinar trabalhadores da área de turismo e de locais de grande circulação de pessoas, conforme o calendário vacinal;
  • Reforçar junto às equipes a importância do registro das ações realizadas nos sistemas de informação específicos;
  • Analisar as coberturas vacinais de modo a identificar fragilidades e atuar sobre elas;
  • As equipes de vigilância e assistência devem trabalhar de modo integrado.

Categorias

Arquivos

Notícias do site antigo

ACESSE TODAS AS NOTÍCIAS

Tags

Eventos

ACESSE A AGENDA COMPLETA